Home

28 de jul de 2010

Os indígenas participam da oficina de criação de paginas para internet e edição de fotografia

Os jovens indígenas dos clãs Gameb, Gabgir e Kaban aprendem utilizar ferramentas de internet para divulgar a cultura Paiter Surui


Durante a oficina de 3 dias, os 19 indígenas estão aprendendo como criar blog e postar os textos, fotos e vídeos. No decorrer da oficina cada aluno terá que criar seu blog e ter noção de como utilizar.

De acordo com instrutor, a oficina “visa desenvolver oficina de criação de paginas para web, ( blog) , para servir como ferramenta de divulgação das atividades desenvolvidas pelo ponto de cultura maloca digital”.

No último dia da oficina os alunos terão oportunidade de aprender como manusear a máquina de fotografia, as configurações e as modalidade de fotos. De acordo com o instrutor “os indígenas estão aprendendo na captura de imagens e edição no GIMP (programa de edição de fotografia em software livre)”.

Cacoal, 28 de julho de 2010.

27 de jul de 2010

Entrevista com OYXIBO Suruí


Entrevistado: Fabrício
Entrevistador: Oyxib 

Você poderia contar uma historia de um tempo quando você sentiu muito orgulho de sua comunidade? 

sim, eu senti muito orgulho da minha comunidade, quando a minha comunidade começou a plantar árvore de reflorestamento, pois dessa iniciativa que surgiu o fortalecimento de atividades voltadas à proteção de território Surui 

O que você considera importante na sua comunidade? 

Eu considero muito importante, a manutenção da língua materna, pois através dela possamos garantir o uso e manutenção da origem dos Paiter 

Qual semente você poderia plantar na sua comunidade hoje que faria diferença no futuro? 
A semente que eu plantaria e ajudar no fortalecimento e na construção de novos planos a que venha buscar novos caminhos para melhoria da comunidade e principalmente visando em beneficiar os Paiter no futuro através desses planejamento

Qual seria melhor maneira de trocar de informação entre comunidade? 
Através realização de reunião e consulta diretas as comunidades sobre problemas enfrentadas.


    Entrevista com FABRICIO Surui

    Entrevistado: Oyxibo
    Entrevistador: Fabrício

    Você poderia contar uma historia de um tempo quando você sentiu muito orgulho d sua comunidade?

    Sim, porque quando descobri que juntos podemos construir um futuro muito melhor, como por exemplos o projeto de reflorestamento.

    O que você considera importante na sua comunidade?

    O mais importante na minha comunidade, que lutamos juntos, unidos para conseguir e buscar pela melhoria de qualidade de vida para os Paiter.

    Qual semente você poderia plantar na sua comunidade hoje que faria diferença no futuro?

    Na entrevista o colega diz que o reflorestamento já é uma grande iniciativa para o futuro, pois ela cria perspectivas positivas que pode fazer muita diferença no futuro das terras indígenas e assim nas próprias comunidades. Portanto quero continuar plantando a semente da iniciativa do projeto de reflorestamento, considero como uma base de fortalecimento que possa resultar em proteção e gestão de terras indígenas.

    Qual seria a melhor maneira de trocar informação entre comunidade?
    comunidade se reunirem, sempre fazer uma reunião para trocar idéias.



    Entrevista com Ubiratan Suruí


    Entrevistadora: Rebeca Suruí
    Entrevistado: Ubiratan Suruí
    Você poderia contar uma história de um tempo quando você sentiu muito orgulho de sua comunidade? 
    No tempo que eu me senti muito orgulhoso da minha comunidade, quando eles sentiam muito alegre com a vida que eles tinham, a serem índios e também por serem batalhadores na sua cultura e seu povo.

    O que você considera a importância da sua comunidade? 
    A importância que eles não desistam de que seja o que eles são manter a sua origem. 

    Qual semente você poderia plantar na sua comunidade hoje que faria diferença no futuro? 
    Portanto poderia plantar para a minha comunidade uma semente que pode ser plantações frutíferas. Para que um dia eles possam vender para eles e viver nessa vida trabalhando consciência de cada um.
      
    Qual seria a melhor maneira de trocar as informações entre comunidades? 
    Maneiras que eles trocam informações entre conversas e também pelas reuniões, e também eles podem se comunicar. Por isso , porque eles não tem telefones para se comunicar numa aldeia para cada pessoa , precisa reunir em um local.

    Entrevista com urariwe Suruí



    ENTREVISTA DO URARIWE SURUI
    ENTREVITADOR: FERRARI SURUI

    Você poderia contar uma história de um tempo quando você sentiu muito orgulho de sua comunidade?

    Quando os Gamebey iniciaram projeto de reflorestamento em 2005, onde o Clã tiveram resultado positivos em relação a proteção da floresta e principalmente da terra Indígena Sete de Setembro.

    O que você considera importante na sua comunidade?

    Unidos como povo buscando pela melhoria de qualidade de vida dos Paiter.

    Qual semente você poderia plantar na sua comunidade hoje que faria diferença no futuro?

    Trabalhar a Educação,capacitar e formação das lideranças e jovens Indígenas para lutar pela defesa e proteção do seu território.

    Qual seria a melhor maneira de trocar informação entre comunidade?

    Ver a possibilidade de inserir outros meios de comunicação,como: telefones,celulares e Internet, instalando conforme e adequando a realidade das Aldeias Indígenas.

    Entrevista com Ferrari Surui



    ENTREVISTA DO FERRARI SURUI

    ENTEVISTADOR URARIWE SURUI

    1.Você poderia contar uma história de u m tempo quando você sentiu muito orgulho de sua comunidade?
    Quando a comunidade Gabgirey, através da Associação realizou 1° feira Cultural Paiter/2010.

    2.O que você considera importante na sua comunidade?
    Manutenção da Cultura, Fortalecimento da Cultura Paiter através da atividade realizadas.

    3.Qual semente você poderia plantar na sua comunidade hoje que faria diferença no futuro?
    Incentivar os Indígenas Surui a estudar e objetivando cursar uma graduação.

    4.Qual seria a melhor maneira de trocar informação entre comunidade?
    Reuniões, divulgação, sendo realizadas nas Aldeias.

    Entrevista com Assis Suruí

    Entrevistador : Luan Mopidgorten Suruí
    Entrevistado : Assis Suruí

    No dia que o meu povo kaban parou extrair mandeira, se continua tirar a mandeira eles iriam contra o projeto do clã Gameb que protegem o meio anbiente.

    Que eu faz parte de agente de saúde para facilitar o meuu povo e ajudar também.

    Primeiro estudar no meu estudo e se forma queria trabalhar próprio o meu povo , pode ser trabalhar o progeto de meu clã .

    Para facilitar informação poderia ter internet nas aldeias , já que não tenha melhor reunir para dar informação do povo .

    Entrevista com Luan Mopidgorten Suruí


    Entrevistador : Assis Suruí
    Entrevistado : Luan Mopidgorten Suruí
        Sinto orgulho que os clã Gamebey tem um progeto de reflorestamento em sua comunidade
        Para manter e preservar a floresta que temos hoje .
        Eu me considero importante porque estudo para ajudar a minha comunidade e do meu povo clã Gamebey .

        Que eu faria hoje para a minha comunidade é continuação do trabalho do metareilá que vem fazendo para o beneficio da sua comunidade .

        O melhor maneiro de trocar informação para comunidade é sentar para reunir trocar ídeias .

    Entrevista com Mopidgoe Surui

    Entrevistado: Mopidgoe Surui
    Entrevistador: Oykoemaor Surui

    1)Você poderia contar uma historia como você sentiu muito orgulho de sua comunidade?
    Mopidgoe disse o que deu mais orgulho da Associação do Clâ Gâmeb, foi o momento que a clã gameb fizeram associaçãopara clã, agora a clã gameb tem o projeto de proteger a floresta indigena na sete de setembro.

    2)O que você considera importante na sua comunidade?
    Ele disse que considera dentro da comunidade, que eles falam a língua indigena dentro da aldeia,estudam dentro da aldeia e tambem participam das oficinas que realizam dentro da comunidade.

    3) Qual semente você poderia plantar na sua comunidade hoje que faria diferença no futuro?
    Ele disse que poderiam estudar,e formar um técnico para ajudar a comunidade.

    4) Qual seria a melhor maneira de trocar informação entre comunidade?
    A maneira de trocar as informações entre a comunidade fazer uma oficina para ele aprender e melhorar a inteligêcia.

    Entrevista com Oykoemaor Surui


    Entrevistado ; Oykoemaor Surui
    Entrevistador; Mopidgoe surui

    1).Você poderia contar uma historia de um tempo quando você sentiu muito orgulho de sua comunidade?
    O momento que me deu mais orgulho foi quando o clã Gabgir fizera reunião para melhorar a educação das crianças e proteger a Floresta.

    2). O que você considera inportante na sua comunidade?
    E eles podendo se respeitar e eles ajudando uns aos outros.

    3) Qual semente você poderia plantar na sua comunidade hoje que faria diferença no futuro?
    Éaprender mas para no futuro e ajudar minha comunidade.

      4) Qual seria a melhor maneira de trocar informações entre comunidade?
      A melhor maneira de trocar informações é de ajudar minha comunidade e melhorar a educação e aprendizagem.

    Entrevista com Francisco Surui

    Entrevistado: Francisco Surui
    Entrevistador: Celso Surui

    01- Você poderia contar uma história de um tempo quando você sentiu muito orgulho de sua comunidade?
    R- Sim, já senti muito orgulho e sinto até hoje de um momento que aconteceu no dia 04 de Outubro de 2008, naquele dia o ITABIRA SURUI indigena ele foi eleito como vereador no municipio de Rondôlandia MT , depois de 40 anos de contato com sociedade não indígena.

    02- O que você considera importante na sua comunidade?
    R- O mais importante que eu considero hoje, e que minha comunidade mantêm ainda a sua cultura, atráves de consumo da comida tradicional, uso da língua Tupi-mondé e reflorestamento na aldeia.
    Além disso o importante seria também os idosos transmitir o conhecimento tradicional para os mais jovens , possibilintando garantir a impotância e manter a cultura paiter.

    03- Qual semente você poderia plantar na sua comunidade hoje que faria diferença no futuro?
    R- Estudar na faculdade e tornar um profissional e praticar o conhecimento adquirido dentro da terra indigena Sete de Setembro juntamente com o meu povo, pois nos encotramos carente de profissional indigena atuando na contribuição pela solução de problema enfrentadas.


    04- Qual seria a melhor maneira de trocar informação entre comunidade?
    R- Através de reunião , por que e a maneira mais fácil de trocar a informação entre comunidade, com tradução simples objetivando a réplica das informações com os outros indigenas.

    Entrevista com Celso Surui


    Entrevistado: Celso Surui
    Entrevistador: Francisco Surui


    1. Você poderia contar uma historia de um tempo quando você sentiu muito orgulho de sua comunidade?

      R: Sim, tive muito orgulho da minha comunidade, quando a cantora internacional GRACE foi lá visitar a nossa aldeia, porque ate no momento nenhum cantora ou cantor nacional e internacional foi a outra comunidade ou em uma outra terra indigena  


    2. O que você considera importante na sua comunidade?

      R: O que eu considero importante na minha comunidade e nós reflorestando o que foi cortado de árvore na nossa terra, repondo oque foi desmatado.


    3. Qual semente você poderia plantar na sua comunidade hoje que faria diferença no futuro?

      R:Reflorestamento, porque já começamos, mas queria que toda terra Surui fossem reflorestado, no lugar que tenha desmatado, com isso a ideia fosse espalhar para outras terras indigenas e não indigenas.


    4. Qual seria a melhor maneira de trocar informação entre comunidade?

      R: Através de reuniões e para ter informações das outras comunidades ou etnia e através da tecnologia.

    Associação Metareilá inaugura Maloca Digital e índios participam de oficina de inclusão digital


    A Associação Metareilá do Povo Indígena Suruí que tem como meta atuar na defesa e preservação cultural e territorial buscando promover a garantia da biodiversidade e formação dos povos indígenas no intuito de construir e fortalecer a sua autonomia fez na manhã desta quinta-feira, em sua sede, localizada no distrito do Riozinho, a inauguração do Ponto de Cultura Maloca Digital.

    A Associação é dirigida pelo líder indígena Almir Suruí e nesses dias 06, 07 e 08, está ministrando oficina de Inclusão Digital em Linux e Multimídia “Fotografia e Vídeo”, com jovens indígenas. A oficina está sendo ministrada pelos oficineiros, Edimar Freires Ferreira(xis) (Inclusão Digital) e Sérgio P. Cruz (Fotografia).

    De acordo com Almir Suruí, a oficina tem como principal objetivo levar as tecnologias da informação e da comunicação para as aldeias indígenas, preparando os jovens indígenas para contribuir na preservação da cultura e biodiversidade para melhorar o intercâmbio entre todos os povos.

    O assessor indígena, Paline Surí, ressaltou a importância da oficina e inauguração da Maloca Digital.